sábado, 5 de novembro de 2011

Desabafo...

Eu te odeio...




Na verdade, não te odeio, deixei de te amar e quando não amamos nos irritamos com as coisas pequenas do dia a dia!

Pensei por muito tempo dessa manhã em dar um fim na minha vida, já que não tenho condições financeiras de sair dessa casa ou desse terreno e não consigo imaginar uma maneira de conviver com você sem me irritar... mas sou medrosa de mais para fazer isso, sempre fico imaginando que pode não dar certo e que as pessoas que AMO ficariam com o fardo de cuidar de mim, e não quero dar mais esse fardo a elas.



Sei que esse meu sentimento pode ter sido alimentado pelo sentimento de terceiros por ti, mas não sou nenhum ser iluminado a ponto de eliminar isso de mim.


As vezes fico tentando lembrar de momentos bons, de coisas boas que você já tenho feito, mas os poucos que lembro não tenho certeza se aconteceram!


O fato, pra mim, é que você nunca fez seu papel, sempre se preocupou mais com o quintal do vizinho do que com o seu. Sempre se preocupando apenas com o que comer hoje, nunca nos ensinando como sobreviver, como viver. Querendo ser o herói da história te tornou ausente. Preocupado com o que os outros (família) iriam pensar mas nem um pouquinho interessado no que realmente acontece na sua família, com as pessoas que você deveria proteger, cuidar, amar...



Não sei se um dia vou conseguir falar isso pessoalmente, ou se um dia vou mostrar esse texto para você, mas espero me sentir mais aliviada ao colocar isso pra fora, de um jeito ou de outro.